The forgotten Light of day, waiting for me outside of this cave

Os piores anos da escravidão da minha alma; Reduzido a ver o mundo através dos olhos do opressor

Os piores anos da escravidão da minha alma;

Reduzido a ver o mundo através dos olhos dos opressores


Irmão primogênito,


As pessoas à sua volta muitas vezes, não são o que você pensa que são. Procure pensar melhor quem você chama de “amigo” e de “meu amor”. Procure lembrar de quem você sempre achou que era seu amigo, o Nilsinho, lembra? O amigo de infância que o roubou e o deixou falido! Procure tentar perceber o que aquela que agora está com você faz da vida: melhor você abandoná-la agora, antes que ela tenha que abandonar você por conta própria, porque é isso o que ela faz da vida. Mulher de todos na verdade é mulher de ninguém. Melhor é que isso aconteça, para você lamentar ter abandonado o único amor verdadeiro que você teve na vida. O amor da sua única esposa, a mãe da sua filha.


Minha crítica foi feita por escrito e será esclarecida por escrito. Eu nunca levantei a voz contra você (irmão primogênito). Mas mesmo por ficar calado você me fez culpado. Tinha a “incapacidade de amar”. O papai, na época, veio trazer o recado. Do jeito dele. Acho que vocês não vão se lembrar disso. Claro, não foi na sua pele, então “esquecer” é fácil.


Afinal, era eu que não falava ou era ninguém que vinha falar comigo?

  • Oi, Daniel. Você parece triste.

  • Você quer falar sobre isso?

Daniel:

  • Sim, eu gostaria, mas aqui ninguém nunca se importou e me deixam no canto.

  • E não tem nem vergonha de me criticar por eu ficar calado, e bem na minha cara.

  • Não estão nem aí para os meus sentimentos.

  • Se eu estou sofrendo ou não.

  • Só ficam incomodados porque eu não estou agradando.

  • Dizem: “O Daniel não fala”, “Eu nunca vi uma pessoa tão calada como o Daniel”.

Amigo(a):

  • Pode desabafar comigo, que eu sou seu amigo.

  • Me conte como eu posso te ajudar.

Daniel:

  • Pra começar, não me mande pro psiquiatra ou pro psicólogo, pra aliviar a consciência de vocês da culpa que vocês têm e continuar me ignorando aqui entre vocês! Acreditando que está tudo bem!

Amigo(a):

  • Ah, entendi.

Daniel:

  • Agora, só porque eu escrevi algumas coisas, um monte de gente já virou a cara pra mim!

  • Se só o que eu escrevo já pode fazer isso, imagina se eu pudesse falar sobre tudo isso!

Amigo(a):

  • Você pode não ter percebido, mas mesmo calado você não passava despercebido.

  • Ao contrário, muita gente se perguntava e percebia de algum modo, que você tinha que ter alguma coisa pra dizer.

  • Mas ficavam imaginando se não falava porque não podia; ou não conseguia; ou não queria!

  • Porque tem muita gente que também não fala mas que passa despercebida.

Daniel:

  • Puxa, você é mesmo inteligente!

  • Eu queria ter encontrado um terapeuta inteligente que nem você, amigo(a).

  • Alguns terapeutas que eu encontrei foram terríveis.

  • Até um me chamou de preguiçoso, depois de eu contar pra ele que eu não tinha motivação pra fazer as coisas!

  • E outra me disse que na verdade eu estava bem e a minha preocupação e todo o sofrimento que eu tentei explicar pra ela era, na verdade: “delírio e alucinação crônica” e que eu deveria “entender como eu quisesse” o que ela falou.

  • Mas antes de tudo isso, naquela Federal era pior, porque lá eram os colegas adolescentes que não paravam de encher o saco!

  • Até o professor me apelidou!

  • Hesitei uns três segundos pra responder a chamada e o professor me disse: “Eu vou te chamar de ‘língua’!”

  • E o apelido pegou.

  • Aí ficou cada vez mais difícil continuar naquela escola!

  • Escola que só tinha ido porque o meu irmão tinha sugerido.

  • Nem pensava em ser técnico, nem em eletrônica.

  • Mas eu aguentava tudo aquilo calado e parado, como uma rocha.

  • Apesar do temor e da humilhação sempre à porta.

  • Porque eu ainda tinha o meu amigo: o vídeo game.


Eles mantém você amedrontado para manter você subjugado. Pare de ficar com medo e comece a se levantar.
Eles mantém você amedrontado para manter você subjugado. Pare de ficar com medo e comece a se levantar.

Fácil é amar os que vos amam; difícil amar os que vos odeiam

Irmão primogênito: o meu fardo mais pesado.

Irmão secundogênito: meu inimigo oculto.

Irmão caçula: meu amigo oculto.


Irmão secundogênito,

Quando eu poso de inimigo você acredita. De amigo você me rejeita.

Quando ameaço o seu maior tesouro, você me faz o seu maior inimigo.

Eu te ensinei a aprender o que eu sinto: realmente deixar de confiar em alguém de verdade!

E você, apesar de ter o que desejou, acreditou!

Você é o pior falso amigo que eu poderia ter!

Impossível confiar em você de verdade!

Você é daqueles que deixaram de aprender o que é ser sincero de verdade, tudo isso pela sua maldita vaidade!

Te peço ajuda, amedrontado pelo perigo.

Você ignora o pedido e ainda me culpa por ser ameaçado!

1 visualização0 comentário